Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



O meu e os outros

por A Pipoca Mais Doce, em 08.09.13

Se eu ganhasse uma nota de 500€ por cada vez que já ouvi "bem, quem diria?", por esta altura já estaria rica. E quando é que eu oiço esta frase? Basicamente, sempre que encho o Mateus de beijos e faço vozinhas queridas em frente aos meus amigos. É que salta sempre um "bem, quem diria que esta miúda um dia estaria assim por uma criança?" ou qualquer coisa assim parecida. Calma lá, meus amigos, calma lá. Não vamos pôr a carroça à frente dos bois. A maternidade não fez com que, de repente, eu começasse a gostar de tooooodas as crianças do mundo. Não gosto, não se iludam, é melhor esclarecermos isto desde já para não apanharem mais desilusões. Continuo a achar que, salvo raras excepções, são bastante irritantes, e mal-criadas e berram em demasia. E a olhar para alguns putos sobre os quais parece ter baixado o demónio e a pensar "o que tu precisavas era de uma bela palmada nesse rabo". E podem vir já aí todos os defensores da criançada alheia que é para o lado que eu durmo melhor (também não me brindem com todas as teorias sócio-pedagógicas-anti-palmadas que, basicamente, é pregar aos peixes). Ainda assim, não percebo o espanto por eu gostar da minha criança. E por a estrafegar com beijos. E por dizer que sinto saudades aquele par de horas em que não estou com ela. O que é que estavam à espera? Que dissesse "aaaaaah, até nem o acho assim muito querido"? Ou "eh pá, não vou muito à bola com ele"? Ou que o quisesse devolver ao fim de três dias? Amo o Mateus de paixão. E apesar de não gostar de crianças assim no geral, nunca tive dúvidas de que da minha eu gostaria. Quer dizer, é minha, what's not to love about him? Assim de repente, é só o bebé mais fofinho e maravilhoso do mundo. E sei que um dia também há-de ter ataques de parvoeira (que eu tentarei minimizar com todas as minhas forças, juro), que nem assim deixarei de gostar dele. Uma coisa são os nossos, outra coisa, muito diferente, são os dos outros. E se antes, quando manifestava o meu desagrado por certas atitudes infantis, era sempre brindada com um bonito e desdenhoso "espera até seres mãe", agora, que já sou, posso continuar a dizer que há coisas nos putos que são intoleráveis. Finalmente, foi-me concedida legitimidade para dizer TODAAAAA a verdade sobre o maravilhoso mundo das crianças. Ah, e não me digam que quem não adora todas as crianças do mundo nunca poderá ser uma boa mãe (aposto que é a teoria que se segue) porque isso, basicamente, é só parvo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:03


61 comentários

De Anónimo a 08.09.2013 às 22:39

Ninguém entende uma mulher que não desate a tirar bebés dos braços dos outros num ataque histérico-diabético de cutxi-cutxi.
Como eu te entendo!
Não tenho filhos, nem sei se algum dia terei, mas em geral os bebés não me dizem nada, até consigo perceber que sejam fofinos, quando não choram, mas nos braços dos pais! Jã as criancinhas maiores, tirando as mais sossegatitas, conseguem ser muito irritantes, e dou muitas vezes por mim e a assistir a birras a calcular um correctio mental! Ahah

Porque é que algumas pessoas fazem logo questão de passar o bebé para o colo de quem nem pediu? Nunca entendi, e tenho vergonha de dizer "epá, muito bonito, deixa-o lá onde está que não é por isso que vou fazer já um!".

No entanto, sei que se um dia tiver o irei amar acima de tudo!

De Anónimo a 09.09.2013 às 11:09

Um grande like neste comentário!

Faz-me lembrar a Miranda em resposta a um olhar reprovador da Charlotte: "You're not going to defend children? No.I don't like any children but my own!"

De Liliana a 09.09.2013 às 15:18

Pois isso é típico de pessoas que não têm filhos e que conseguem sempre educar os filhos dos outros muito bem. Não a censuro, pois já passei por isso. Agora que sou uma mãe real, vejo que as coisas não são assim tão fáceis como pensava que iriam ser, qd também "educava mentalmente" os filhos dos outros.

De Sofia a 09.09.2013 às 20:45

Pergunta: o que é uma "mãe" real?...

De Anónimo a 10.09.2013 às 09:53

Se não gosta de bebés, pq é que segue um baby blog?

De Ana a 11.09.2013 às 12:44

Realmente ... se não tem filhos nem gosta de crianças que raio faz num babyblog??

De Irina a 12.09.2013 às 02:32

Não tenho filhos nem penso em tê-los (apesar de não dizer "nunca"). E leio o blog porque gosto de entender outras formas de pensar... Porque sou curiosa relativamente ao tema da maternidade e à forma como a maior parte das pessoas considera que uma mulher não está completa se não tiver um bebé.

Para além disto, acho que, se vier de facto a ser mãe, devo dar uma parecida com a Pipoca, que, segundo a mesma, não tinha uma vocação evidente. E fico curiosa relativamente à forma como vai descrevendo os acontecimentos.

Portanto, existem, sim, razões válidas para alguém que não adora crianças andar por aqui :)

De Clara a 13.09.2013 às 10:06

Que comentário tão parco de inteligência... CREDO!!!!

De Graça Almeida a 08.09.2013 às 23:01

Não sei qual é a novidade deste post?!
E não é assim com todas as mães???!!!
O nosso é sempre melhor que o dos outros.
Nunca ouviu dizer que o amor é cego?
Há-de chegar o dia, por exemplo, em que o seu rebento vai fazer tamanho escarcéu e berreiro num restaurante. E enquanto o casalinho da mesa do lado, que está a namorar, a fulmina com o olhar e pensa que ali está uma criança mal educada, a precisar de 2 palmadas, você olha com ternura para o seu rebentinho, cujo berreiro já é quase música para os seus ouvidos (tão habituados que estão a um nível superior de decibéis) e ainda faz figura de parva tentando negociar, condescendente, com o seu filhinho: "Olha, se continuares a berrar a mamã zanga-se contigo e não te compra o chupa mágico!", "Vá lá senta-te aqui que a mamã empresta-te o iPad"...
E ai daquele que ousar dizer mal do seu rebento!
E ai daquele que ousar sequer pensar que aquela é uma birra estúpida, de quem é mimado e malcriado, porque a mamã tem sempre uma desculpa para o seu menino: "Coitadinho, são os dentinhos", "Coitadinho, esta noite dormiu mal", "Pobrezinho, assustou-se com o casaco da senhora do lado"...
Enfim... Só os anos e a experiência me darão razão, porque mãe é Mãe, e esse distanciamento que a Pipoca teima em fingir que tem, é realmente falso, porque no AMOR nunca se é imparcial! (Felizmente!)
Por alguma razão se diz que “Quem meus filhos beija, minha boca adoça”!
Sábia sabedoria popular…
Porque raio é que a Pipoca deveria ser diferente do resto das Mães???!!!

De Anónimo a 08.09.2013 às 23:20

"Olha, se continuares a berrar a mamã zanga-se contigo e não te compra o chupa mágico!", "Vá lá senta-te aqui que a mamã empresta-te o iPad"...
"Coitadinho, são os dentinhos", "Coitadinho, esta noite dormiu mal", "Pobrezinho, assustou-se com o casaco da senhora do lado"

???????
Isso até pode ser o que você faz e diz, mas filho meu leva um correctivo na hora. Não é por ser nosso filho que tem desculpa para tudo e um correctivo bem aplicado é mágico !

De AM a 09.09.2013 às 00:06

Sem duvida... Lá por ser meu, levam na hora!!!! E boas palmadas para que sintam. Essa atitude de desculpar os nossos chama-se DESEDUCAR e é um problema grave da nossa sociedade de hoje em dia... Cada vez mais meninos e meninas mal educadas ( e eu já sou pai de uma menina de 15 anos)

De Mariana a 09.09.2013 às 11:24

Exacto! Posso dar o exemplo que a minha mãe nunca me bateu, mas desde pequena que sempre ouvi "não" e aprendi o seu significado. Se tentasse fazer birra ouvia logo um "está quieta que as outras pessoas não têm de ser incomodadas porque eu não te faço as vontades todas"... E a verdade é que isso só me fez bem!
Também já assisti a um bebé (opá, o puta devia ter quase 1 ano mas pronto) que se comportou mal e a mãe só lhe disse "estás-te a portar mal e já sabes que não podes", o puto deu a mão à mãe para receber o castigo (uma leve palmada) e a seguir ouviu "pede desculpa"... ao que tirou a chucha da boca e esetou um beijo na bochecha da mãe.
Realmente, há pais que gostam de ter desculpas para o mau comportamento dos filhos. "Tadinhos dos meninos!"

De Mariana a 09.09.2013 às 11:25

puto*

De Anónimo a 09.09.2013 às 12:27

Adoro as reacções do tipo "ai não, o meu birra não faz porque leva logo uma palmada e ele sabe quais as regras"
TODOS os miúdos alguma vez fizeram birras e TODOS os pais a dada altura usam a negociação.

De Margarida C. a 10.09.2013 às 22:41

Eu nunca fiz uma birra sem ser em casa e mesmo assim nunca me deram aso para isso... sou um ET? Ou sou bem educada e aprendi desde cedo o significado de nao?

De Marisa a 09.09.2013 às 00:40

Gostei.
Acho que, sendo mae, nao temos que passar a ser umas tontas que desculpam tudo aos filhos. Acredito que haja muitas maes que vao dizer que "coitadinho, dormiu mal a noite..." ou "isto e reflexo da falta de rotina nas ferias, agora que voltou a ama e a ter de ir para a cama as 20:00 e uma desgraca!" , mas eu sou daquelas que (ainda hoje) sempre que o Andre e irritantemente embirrante lhe digo, a frente de quem for coisas como: "a dar esses gritos perdes a piadinha toda..." ou se me sujeita a uma birra daquelas porque quer ir para esquerda e temos de ir para a direita, pego nele, uma palmada no rabo acompanhado de: "era o que mais faltava! Mas afinal quem e que manda? JA a minha frente!" e resulta. O Andre esta numa fase em que se quer afirmar e ver ate onde pode ir, mas comigo e com o pai nao vai a lado nenhum.

Acho que essa teoria das palmadas serem um trauma e sabe-se la mais o que, uma treta.

No que depender de mim, vou continuar a olhar de esguelha os miudos que mandam nos pais mais do que os pais mandam neles e vou continuar na minha luta, diaria, para educar e por o meu no seu respectivo lugar.

Concordo contigo Pipoca.

Beijinho ao Mateus que e super fofinho (mas o meu e mais! ah ah ah :p)

De Rita a 09.09.2013 às 02:28

Olá Ana

concordo plenamente, a bela da palmada na hora certa faz milagres.
O meu filhote tem 5 anos ( que é A criança mais linda do mundo :)) só levou uma palmada em toda a vida, a técnica do olhar com cara de ruim, até agora, tem sido mais eficaz.

Só uma pequena constatação - adoro os seus blogs, divirto-me muito com as afirmações do facebook, mesmo - mas deixe lá a opinião dos outros... não leve a mal, mas sempre que fala de um assunto , digamos mais polémico ou susceptivel de polémica, já faz as criticas que os outros vão fazer sobre esse tema...
Deixe-os para lá... Não interessam a ninguém e quando vimos aos blogs queremos saber a sua opinião ou comentário sobre os temas, não os que os outros vão pensar ( para isso podemos ler os comentários, onde às vezes as pessoas são mesmo bravas e invejosas)

Um beijinho e continuação de bom trabalho (e uma vida longa e muito deliz para o pequenino).
Rita

De Anita a 09.09.2013 às 08:02

Cheira-me que, tal como eu, depressa vais chegar à fase do "quanto mais conheço os filhos dos outros mais gosto do meu". É que parece que nva praga do sec XXI não é a obesidade ou qualquer outra doença, mas a má educação infantil... :/

De Andreia a 09.09.2013 às 08:45

Oh que bom encontrar alguém como eu!!
Continuo a não ter paciência para os filhos dos outros, não adoro todas as crianças do mundo, a falta de jeito para lidar com as crianças continua a existir...
Amo a minha e sei lidar com ela, porque é a minha.

Obrigada por partilhares estas coisas connosco e fazeres saber que não somos aliens :)

Um grande beijinho

De Simplesmente Ana a 09.09.2013 às 11:04

Bem, eu também sou mãe e estou longe de adorar qualquer criança alheia. Excepto bebés. Derreto-me com quase todos :)

De Inês Dunas a 09.09.2013 às 11:47

Pois eu é raro nao gostar de uma criança e todas fazem birras de quando em vez... Acho bem mais desagradável aturar as birras dos adultos e nesses também não dou palmadas quando se portam mal, por isso acho que só se dá nas crianças porque são mais pequenas e se acha que impor a força é consentido a quem podemos subjugar...
Levei muitas palmadas e não me orgulho de nenhuma delas...
Acho que bater significa desrespeitar, quando um adulto bate noutro (violencia domestica por exemplo) é uma clara falta de respeito... Se levarmos uma galheta do nosso marido é horrivel, se dermos uma no nosso filho é educar... Pois, aqui há uns anos os homens também achavam que lhes competia "educar" as mulheres (ainda há, hoje em dia, quem pense assim...). Acho que se pode educar sem comprar chupas ou sem dar palmadas, é dificil? É!
Mas um dia quando formos velhotes e menos capazes, ou ate dementes e nos voltarmos a comportar como crianças, terão os nossos filhos o direito de nos darem uma palmada "educativa", de vez em quando, na hora certa, para nos portarmos melhor?

De Isa a 10.09.2013 às 16:19

Inês Dunas, não podia concordar mais com o seu comentário.

Dei 2 ou 3 palmadas ao meu filho. Percebeu que não pode fazer o que fez e não acho que tenha ficado traumatizado, mas não gostei, não gosto.

Não concordo com a palmada aplicada a tudo o que entendemos estar errado, nos contradiz, nos incomoda.
Muitas vezes tudo se resolve estando atento aos comportamentos, ao entendimento que fazem do que os rodeia, às brincadeiras de explorar tudo. O que sem dúvida é bem mais trabalhoso.

Ter paciência, ter tempo para brincar, ter tempo para lhes prestar atenção (escutar), explicar (muitas vezes), aplicar castigo claro, mas sobretudo procurar ver o mundo pelos olhos de um ser que está a descobrir tudo na vida..

Se não damos palmadas aos colegas de trabalho, nem ao marido, nem a quem é mal educado no transito e fora dele, porque raio podemos dar palmadas a torto e direito a uma criança?

De Inês Dunas a 17.09.2013 às 20:59

É isso mesmo Isa, se não batemos nos estúpidos que se atravessam diariamente no nosso caminho, porque batemos nos nossos filhos que amamos tanto (e ainda por cima que nos amam reciprocamente) e que confiam tanto em nós?
Beijinho em si! :)

De Luna Facies a 17.09.2013 às 09:30

Apoiado!
Estava aqui a rir-me com os comentários do "ah, o meu comigo não faz farinha, leva logo uma palmada e tal!". Aliás, tenho esse conflito com o meu próprio marido que diz que não tem paciência para as birras da nossa filha de 2 anos e meio, e que o que resolve é uma boa palmada. E eu respondo exactamente isso, é muito mais fácil desistir e levá-la à força a fazer o que queremos, ou porque gritamos com ela ao jeito das cavernas, do que dizer assertivamente o que pode e não pode fazer, e ensinar. Não é preciso negociar com chupas e ipads (às vezes também é, não se iludam!), mas dizer de forma firme, sem gritaria "Não podes mexer aí", "essa gaveta não é para tu mexeres", "apanha esses brinquedos, se faz favor" (importante não esquecer a verdadeira educação...), e acreditem que isto sim é educar e é um desafio. Como disse a Inês Dunas, e eu digo exactamente o mesmo ao meu marido, a superioridade física não dura para sempre, e se educarmos que tudo se resolve à palmada, quem sabe não seremos nós a levá-las quando formos mais velhos e precisarmos que eles cuidem de nós. Pensem nisto.

De Inês Dunas a 17.09.2013 às 20:55

Eu também acho muito pertinente o educar com educação, eu agradeço sempre à minha filha quando ela faz aquilo que eu peço e também lhe peço desculpa quando erro. E a verdade é que ela, com 23 meses já responde : "Não, obrigada!" quando não quer alguma coisa, ou apenas "Obrigada!" quando faço aquilo que ela pede! Quando se porta mal, ou me magoa na brincadeira (porque é desastrada como a mãe!!) pede desculpa, com um ar mesmo arrependido...
Por isso, dá trabalho, às vezes temos que contar até 100 (ou 1000), mas compensa!
Ajuda muito se nos metermos mais vezes no lugar deles, para tentarmos determinados comportamentos e escutá-los é essencial, afinal quem é que gosta de ser tratado com indiferença?
E o facto de serem crianças não os torna menos dignos de respeito que nós, penso eu...
Até porque eles aprendem muito por imitação daquilo que vêem ao seu redor!
Obrigada Luna Facies, beijinho em si!

De Anónimo a 09.09.2013 às 12:23

Não cuspas para o alto que ainda te cai tudo em cima.
Sim, há coisas intoleráveis nos miúdos mas... não estamos livres que venham a ser os nossos com essas atitudes (a maternidade ensinou-me a não criticar os outros e a guardar para mim essas críticas. )

De Joana a 09.09.2013 às 13:44

Oh pipoca, eu não estou aqui para condenar ninguém, mas a pipoca não gosta meeesmo de crianças ? Ou só não vai à bola com elas, irritam-lhe, mas ao longe até são fofas, algumas ? É algo que me faz alguma confusão, mas não é de longe para a provocar !

Comentar post


Pág. 1/4






Digam-nos coisas

apipocamaisdois@gmail.com

Pesquisar

Pesquisar no Blog  


Arquivos

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D