Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



"Isso é porque não tens filhos"

por A Pipoca Mais Doce, em 15.07.14

E pronto. Sem dar por ela, assim de mansinho, vi sair da minha boca a frase que mais abominava quando ainda não tinha filhos. Falava-se sobre o triste caso da Judite Sousa, alguém soltou um comentário mais insensível e eu respondi "só dizes isso porque não tens filhos". Ahhhhhhhhhhhhhhh! Sucumbi. Sou, oficialmente, uma "dessas" mães que andam sempre de dedinho no ar, que acham que sabem tudo da vida e que despacham os assuntos com um "quando fores mãe logo vês". Como é que isto aconteceu? Em minha defesa (se é que tenho alguma), devo sublinhar que só usei este argumento numa discussão séria como esta. De facto, só quem tem filhos pode perceber a dor que dá só de pensar em perder um. Quem não tem pode calcular, mas não é a mesma coisa, e só assim se percebe que se aventure a fazer piadas ou comentários mais agrestes. A coisa piorará certamente quando eu usar o argumento "isso é porque não tens filhos" noutras situações. Por exemplo, alguém dizer-me "é normal o Mateus estar a partir todos os pratos do restaurante?" e eu responder, com quatro pedras na mão, "só dizes isso porque não tens filhos". Ou "o Mateus está ali a arrancar o olho a um menino, é suposto?". "Claro que sim, só dizes isso porque não tens filhos". Percebem o que quero dizer, certo? Quando se usa este argumento é porque não temos outro melhor para justificar que os nossos miúdos sejam uns pequenos selvagens. É mais fácil dizer que são os outros que não percebem nada do assunto do que sermos nós a reconhecer que está ali alguma coisa a falhar. Sempre achei que não era preciso ter filhos para se poder dar palpites sobre crianças e sobre a sua educação (ou falta dela). Continuo a achar, mas acho também que há algumas coisas que só os pais percebem. Acho que a maternidade nos torna mais tolerantes. Pessoalmente, já não tenho vontade de esganar toda e qualquer criança que ouse berrar num raio de cinco metros. Na verdade, acho que até dou por mim a olhar para os pais com um sorriso complacente de "aaaaah, eu sei bem o que isso é, não se preocupem". Calma, há casos e casos. Continuo a ter ZERO paciência para birras do tamanho do Evereste, para faltas de educação e para pais xonés e super passivos. Os tais que passam a vida a dizer "quando tiveres filhos logo vês". Mas, sem margem para dúvidas, ficamos mais compreensivos.

 

Vou estar atenta para ver se deixo escapar mais alguma frase do género. Em caso afirmativo, é porque me passei definitivamente para o outro lado. Misericórdia.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:31


12 comentários

De onossolugar a 15.07.2014 às 12:52

Percebidíssimo!
Subscrevo na íntegra. Também cheguei a ouvir muitas vezes essa frase. O certo é que tenho um filho com 4 anos e, que me lembre, nunca usei esse argumento para justificar nada.
Bjs e mais posts neste cantinho faxavori ;-)

De A Mocha a 15.07.2014 às 12:56

Essa frase é daqueles clichés... :) Mas a verdade é que...é verdade. Podemos opinar muita coisa sobre filhos e ter crianças, mas quando as temos de facto a coisa muda de figura. Na altura em que não tinha filhos uma notícia como a da Judite de Sousa provocaria em mim uma tristeza distante e passados minutos provavelmente esqueceria o assunto. Agora (pós-filhos) uma notícia dessas faz-me estremecer e tentar nem imaginar sequer o que ela está a passar. Agora a minha solidariedade para com alguém que perde um filho é bem sincera e acompanhada de um secreto terror e de muitas rezas para nunca passar por nada assim. A verdade é que quem não tem filhos não percebe a ligação que se cria quando vemos crescer um ser, quando sabemos que ele depende totalmente de nós, quando mais tarde o acompanhamos em tristezas e alegrias. Damos nesse processo todo uma grande parte de nós. E se essa parte de nós - na forma do nosso filho - desaparece... deve ser devastador. E quem não tem filhos não sente isso. Na minha opinião é impossível :)

De Só entre nós a 15.07.2014 às 16:43

Dá bem para perceber, não te preocupes.

http://soentrenos.blogs.sapo.pt

De Carolina a 15.07.2014 às 17:53

Desculpem lá, mas nem com filhos nem sem eles. Ninguém pode efectivamente compreender uma dor como aquela senão quem passa por ela. Quem tem filhos e quem não tem pode até procurar entender e achar que sabe mas não, não sabe. E ainda bem!!

De Alda Lopes Moreira a 16.07.2014 às 13:01

Passo o tempo a ouvir esse argumento de não ter filhos (ou um pior, o do "quando tiveres filhos..." como se fosse obrigada a ter e irremediavelmente viesse a ter...).E normalmente esse argumento é-me apresentado em situações parvas do genero que mesmo não tendo filhos tenho cerebro para perceber que uma criança fazer uma birra de se deitar no chão por o pai não a deixar ir para o volante (fingir que conduz, ela tem só 3 aninhos)quando a mãe acha isso muito giro...hummm...não é normal. Há situações que são obvias seja para mães seja para não mães.
:)

De Anónimo a 20.07.2014 às 14:25

Concordo plenamente consigo! O que mais me irrita na frase "Quando tiveres filhos vês" é que quem diz isto parte do princípio de que toda a gente quer ter filhos..

De Maria a 16.07.2014 às 17:18

Nao se preocupe,Ana.E verdade que nao foi o melhor argumento porque quem faz comentarios desses tanto pode ser pai(mae) como nao,apenas e indiferente ao mal dos outros - e isso esta na pessoa,nao no fato de ter ou nao filhos. Agora temos de ser honestas e admitir que todas sabemos que tolices como essas estão constantemente na boca de mulheres mal... "amadas"... daquelas que são frustradas profissionalmente e que nao tem nada a que se agarrar para se valorizarem socialmente. Vai dai acham que tornarem-se maes é uma proeza exclusiva delas. Por " auto experiência" tenho a dizer que após ter tido filhos nao mudei em nada o que ja pensava e continuo a cruzar-me com maes que continuam umas imaturas mas que se acham as maiores palhacitas do circo.

De Anónimo a 16.07.2014 às 21:45

A questao e q sobre a maternidade ha muitas opinioes e teorias bonitas mas depois quando sao os nossos indomaveis mudamos algumas opinioes. Nao gosto de birras mas nao estou imune a um dia passar umavergonha com o puto a rebolar no chao! Nessa altura e tentar ir pra casa omais rapido possivel ou dar.lhe uma carga de pancada ali mesmo, ouambas :-)
ESTOU NO GOZO!!

De Cácá a 17.07.2014 às 15:21

A-D-O-R-E-I :-)

De G. a 18.07.2014 às 15:13

O problema é sempre anterior à questão que foi levantada porque as mulheres que se enchem de peneiras por tudo o que lhes acontece de simpático na vida vangloriam-se até por libertarem um gás, quanto mais por terem um filho!Ser mãe é tão maravilhoso que quem o é de verdade não tem tempo ou cabeça para esse tipo de conversas da treta.As mães que o são por amor e não por " tradição social " não estão interessadas em denegrir outras mães para se valorizarem, não criticam hábitos diferentes só porque fazem as coisas de outra maneira, não comparam os filhos com os dos outros só para se autoelogiarem ridiculamente, não falam com as mães de primeira viagem naquele tom paternalista de superioridade como se fossem mães d 10 filhos ou como se já tivessem 20 anos de experiência!Mãe que o é de alma e coração, oferece a sua ajuda a quem é mais inexperiente, tem curiosidade em aprender com outras mães, valoriza as outras mulheres e admira o carinho com que elas também criam os seus filhotes. Ser mãe não é parir uma criança e exibi-la aos amigos e conhecidos como um adereço de moda. Ser mãe é muito mais do q isso!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

De Anónimo a 20.07.2014 às 14:28

"Acho que a maternidade nos torna mais tolerantes. " A maternidade não torna as pessoas mais tolerantes...torna-as numas fundamentalistas do piorio.

Comentar post


Pág. 1/2






Digam-nos coisas

apipocamaisdois@gmail.com

Pesquisar

Pesquisar no Blog  


Arquivos

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D