Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Médicos? Para quê?

por A Pipoca Mais Doce, em 29.07.13

Uma coisa que também gosto muito e a que tenho assistido com frequência aqui na caixa de comentários, são leitores a dizerem uns aos outros coisas como "o seu médico não percebe nada", ou "foi mal assistida", ou até, como li, "o director de pediatria do hospital não sabe o que diz". De repente, toda a gente é médica. De repente, toda a gente é enfermeira especializada em neonatologia. De repente, toda a gente nasceu com os mais altos conhecimentos pediátricos. Acho bonita a leviandade com que se diz que o médico A ou o profisisonal B não percebe nada do assunto. A leveza com que se põe em causa a profissão dos outros, só porque se pensa de outra maneira. E, pelo modo como algumas pessoas escrevem, ficamos a achar que estamos todos entregues a uma cambada de incompetentes que não faz a mínima ideia do que anda para aí a fazer. E, pior, somos umas burras por confiarmos naquilo que nos dizem e que, burras, burras, burras, acreditamos ser o melhor para nós e para os nossos filhos. Futuras mães deste meu país, quando parirem as vossas crianças (sobretudo se for a primeira vez) e o obstetra, o pediatra ou qualquer outro profissional de saúde vos disser para fazerem assim ou assado, não se fiem nisso, que esses sacanas só vos querem é enganar! Liguem antes um computador, acedam à net, e juntem-se àqueles fóruns de mães onde perguntam coisas do género "o médico receitou o medicamente X ao meu M. mas não me apetecia gastar dinheiro sem saber se funciona, o que é que acham?". E depois fiquem ali a absorver 210 respostas diferentes, mas todas muito pertinentes e certeiras. Médicos?? Para quê, se há mães tão iluminadas neste mundo?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:23


55 comentários

De Simplesmente Ana a 30.07.2013 às 10:27

Nunca daria um medicamento sem consultar a minha pediatra. Aliás, tenho médicos na família e, mesmo assim, a palavra de pediatra é a que prevalece.

De qualquer modo, posso dizer que uma vez contestei a sua decisão e fiz o que achei melhor para a minha filha. E acredito que foi o melhor que fiz (não estou a falar em automedicação, obviamente). E posso dizer que nos fóruns recolhi muita informação útil. É preciso é saber filtrar.

De Ana a 30.07.2013 às 11:46

Eu moro num pais que não e o meu pais de origem, portanto sinto-me bastante sozinha, não conheço muitas mãe por aqui e por isso pertenço a alguns grupos, são grupos de mães , bastante agradáveis e uteis!
Porque ter um blog e se dar ao trabalho de escrever?
Ou será que não há muita mãe que vem aqui a procura de conselhos, dicas, ou sobre biberões ou outra coisa qualquer? Será que este blog não acaba por influenciar a decisão das suas seguidoras?
Eu cá acho que sim...

De Anónimo a 30.07.2013 às 15:57

eu estou no grupo das pessoas que acha que uma grande parte dos medicos que ai anda, nao faz mesmo ideia do que esta a fazer. Nao digo que sejam todos, nem digo a ninguem para dar ouvidos a mim e ignorar os medicos, mas a minha verdade eh que grande parte deles tem conhecimento apenas daquele que vem nos livros ou que se aprende nas conferencia e mais nada. A meu ver eh uma visao absolutamente redutora do Ser. Muitos deles nao tem uma visao holistica do ser humano, olham apenas para o que esta a vista e sempre de acordo com o que vem no livro. Se acreditasse nos medicos que tem aparecido na minha vida, tomava calmantes desde os 20 anos e desde os 16 que tomaria dois comprimidos por dia para a epilepsia. A verdade eh que decidi ouvir antes o meu corpo e ha mais de dois anos que estou bem saudavel e sem um unico medicamento. Cada um acredita no que quer, mas eu acredito mesmo que ouvir o corpo eh meio caminho andado para uma vida saudavel.

De Sofia a 30.07.2013 às 19:19

Já dizia Hipócrates, o pai da Medicina moderna: " Há, verdadeiramente, duas coisas diferentes: saber e crer que se sabe. A ciência consiste em saber; em crer que se sabe está a ignorância." E esta última, consegue ser bem atrevida.

De Catarina Paninho Oliveira a 31.07.2013 às 01:40

FINALMENTE! FINALMENTE um post que dá gosto partilhar! Obrigada por tudo o que escreveu.
Cumprimentos de uma futura enfermeira!
Felicidades :)

De C. a 31.07.2013 às 10:02

Como eu costumo dizer, ir a uma consulta não é mais do que significa a palavra. Vamos a pessoa que estudou sobre um assunto específico pedir-lhe a "opinião" uma vez que não sabemos ou não temos a certeza das coisas nesse campo. Quando o resultado da dita consulta não nos agrada, basta fazer outra consulta com outro especialista ( neste caso falamos de médicos e pediatras). Opiniões de mães há muitas, mas são , por norma, baseadas sobre as suas próprias vivências. Os médicos não sabem tudo, sabem o que estudaram. EDepois há a opinião pessoal do médico que muitas vezes influencia a sua maneira de ver as coisas.
Os médicas existem para nos ajudar. Cabe-nos a nós, enquanto pais, ver qual o médico que se adapta melhor ao nosso estilo ou modo de ver a vida. Porque há pediatras que por exemplo querem que os miudos tomem vitaminas e outros que desvalorizam isso, tal como há pais que ficam aflitos quando sabem que o filho da amiga os toma e o deles não, e outros que não querem saber das vitaminas para nada porque afinal as vitaminas estão nos alimentos para quê dar ainda mais.
Consultas online, não pr favor!! Uma coisa é ouvir uma opinião, outra é guiar-se pelo comentarios de, na maioria das vezes, desconhecidos!!!

Abraço e felicidades

De Cláudia a 31.07.2013 às 13:17

Tal como outras leitoras já expressaram, um meio-termo e algum discernimento são essenciais: os médicos são importantes mas os pais conhecem a criança melhor do que o profissional, aliás o primeiro pediatra do meu filho mais velho (que entretanto tivemos de deixar por mudança de residência) dizia que, se uma mãe lhe dizia que o filho não estava bem, na sua grande maioria, tinha razão e havia que prestar atenção. Infelizmente, a segunda pediatra não era muito atenta, e foi só porque o Dr. Google me ajudou a diagnosticar a doença (crónica) do meu filho, é que se evitou consequências de maior. Sim, diagnosticar: assim que apareceram os primeiros sintomas, todos os estudos que li apontavam para uma certa doença, mas foi só vários meses e médicos depois, que uma biópsia confirmou o diagnóstico. Não sem antes ser vista como hipocondríaca, obcecada com a saúde do miúdo, só perólas... Hoje, ele e o irmão não têm pediatra, são seguidos por uma boa médica de família que, caso haja algum problema, de imediato reencaminha para o especialista. Digamos que a minha confiança nos médicos foi abalada com este episódio e que agora avalio e pesquiso muito antes de aceitar qualquer opinião médica. Lá está, os médicos são muito importantes, mas há que ter algum discernimento e prestar alguma atenção também ao que o instinto nos diz.

De Mama de Peep toe a 01.08.2013 às 16:53

É verdade. Concordo e muito. Se Medicina fosse fácil não andávamos a matar a cabeça tantos anos. E a internet é a maior praga que há.No bom e no mau sentido. Tanta gente que tira cursos de Medicina na net...às centenas!;)

De Anónimo a 03.08.2013 às 10:34

http://www.paisefilhos.pt/index.php/familia/pais-a-maes/2743-o-pediatra-ideal

São os próprios pediatras a dizer muitas vezes "médicos para quê"... curioso, não?

Comentar post


Pág. 4/4






Digam-nos coisas

apipocamaisdois@gmail.com

Pesquisar

Pesquisar no Blog  


Arquivos

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D