Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



AVENTuras da Mamã #13

por A Pipoca Mais Doce, em 17.09.13

 

 

Choros para todos os gostos

 

Quando estava a fazer o curso de preparação para o parto, aproveitei e fiz um workshop sobre o choro dos bebés, com a Constança. Penso que falei disso por aqui na altura. Lembro-me de ela nos mostrar vários vídeos com bebés a chorar, para tentarmos identificar o motivo do choro, e eu achar que aquilo era tudo igual. Quando eu achava que era fome, afinal eram cólicas. Quando eu achava que era sono, afinal era fome. Quando eu achava que afinal eram cólicas, afinal era só mimo. Enfim, sempre ao lado. A Constança dizia para não nos preocuparmos, que quando fosse o nosso bebé haveríamos de conseguir distinguir os choros. A verdade é que, dois meses passados, já é relativamente fácil saber porque é que o Mateus chora. Antes de tirar a carta de condução, lembro-me de perguntar ao meu pai como é que ele sabia que mudança era para pôr. A resposta dele foi simples: “não te preocupes que o carro pede, só tens de ouvir”. Sempre achei aquela explicação um bocado esotérica, mas a verdade é que é mesmo assim. Quando comecei as aulas de condução percebi o que aquilo quer dizer, o carro pede mesmo as mudanças, é impossível ir ali uma vida inteira em primeira porque o carro pede a segunda, a terceira e por aí adiante. Com o choro dos bebés é mais ou menos o mesmo, eles também pedem coisas diferentes. O choro espaçado, incisivo e muito agudo é de cólicas. O choro que vai começando assim de mansinho e se transforma num berreiro ininterrupto é fome. O choro de braços a abanar é falta de colo. O choro misturado com fungadelas é nariz entupido. Depois há o choro de momento, quando lhe estamos a fazer alguma coisa de que não gosta: pôr no banho, tirar do banho, mudar a fralda, passar toalhitas frias no rabo, mudar de roupa, etc e tal. E depois temos ainda o outro choro, aquele que é por coisa nenhuma. Ora se não tem cólicas, se não tem fome, se não tem sono, se não tem o nariz entupido, se não lhe estamos a fazer nada e se está ao colo, então está a chorar só porque sim. Este, juntamente com o choro das cólicas, é o pior. Os outros são de fácil resolução. E mesmo as cólicas, com alguma paciência, também se resolvem. Mas quando chora porque chora, aí é que a coisa se complica. É mais ou menos nesta altura que começamos a falar com a criança, geralmente já num tom ligeiramente enervado (sobretudo a meio da noite), à espera de uma resposta que não chega. É a altura do “mas o que foi agora? Mas o que é que tu tens? Mas porque é que estás a chorar, homem de Deus?”.  Lá no fundinho, temos uma certa esperança que o nosso filho se revele um sobredotado capaz de falar aos dois meses, e que nos diga qualquer coisa como “estou a chorar porque me apetece um bitoque e ainda não tenho dentes”. Ou “estou a chorar porque não há maneira de o Dancing Days chegar ao fim”. Ou “estou a chorar porque vestiste-me esta roupa horrorosa e eu tenho vergonha de ser visto em público assim”. Qualquer desculpa serve, queremos é descobrir o motivo e pôr fim à choradeira. Geralmente não se descobre. Ele chora, nós tentamos tudo e mais alguma coisa, nada resulta e então, como por milagre, cala-se e reina o sossego no lar. Claro que, nesse meio tempo, eu fico a pensar nas 326 coisas horríveis que podem estar por detrás daquele choro. Quantas e quantas vezes já não dei por mim a tirar-lhe a temperatura? Quantas e quantas vezes não fiquei a achar que o miúdo está a chorar por causa de uma qualquer doença que eu não sou capaz de detectar? Quantas e quantas vezes não tive vontade de chorar também, com o desespero de não saber mais o que fazer?

Mas bom, não se deixem levar por estes pensamentos negros porque, bem vistas as coisas, o choro dos bebés não é uma coisa tão enigmática como pode parecer para quem assiste ao fenómeno de fora. Futuras mães deste meu país, não sofram por antecipação, não achem que os vossos filhos vão chorar até ao desmaio e que vocês não serão capazes de os acudir porque, regra geral, vão saber sempre o que se passa com os pequenos seres. Quando não souberem, bem, é esperar. E se for mesmo, mesmo preciso... chorem também!



Quanto ao choro das cólicas... bem, eu acho que este fenómeno é mais ou menos como as gripes: só passam quando têm de passar, mas há coisas que, nos entretantos, ajudam a amenizar. Como os biberões. Já aqui falei várias vezes do AVENT Natural, com um sistema avançado anti-cólicas, um design específico que faz com que ar resultante da sucção seja libertado para o biberão e não paa o bebé. Para além disso, o formato da tetina permite um agarrar natural semelhante ao peito, o que facilita o processo de alimentação.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:19


17 comentários

De Diana a 18.09.2013 às 06:17

Engraçado como os biberões Avent são tão bons mas publicaste uma foto do Mateus a beber o leitinho num biberão da Nuk! LOL!

Comentar post






Digam-nos coisas

apipocamaisdois@gmail.com

Pesquisar

Pesquisar no Blog  


Arquivos

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D