Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



AVENTuras da Mamã #16

por A Pipoca Mais Doce, em 07.10.13



A primeira noite fora

 

Este fim-de-semana deixámos o Mateus dormir fora pela primeira vez. Deixámo-lo ao fim da tarde com os meus sogros e no dia seguinte, logo pela fresquinha, já estávamos a recolhê-lo, mas pronto, foi um marco importante. Eu sempre disse que íamos ser um desses casais com capacidade para se desligarem dos filhos de quando em vez, que é saudável para toda a gente, que os avós adoram e eles também, mas.... mas, mas, mas, mas, mas. Devo ter pensado no miúdo para aí umas 592 mil vezes. Eu tinha a certeza que ele estava bem entregue, tinha a certeza que estava em óptimas mãos, tinha a certeza de tudo, mas... mas, mas, mas, mas, mas. Por mais que queira ser descontraída, acho que sou uma daquelas mães terríveis que acham que só elas é que sabem. Só elas é que sabem o truque para adormecer, só elas é que sabem como é que eles gostam de festinhas, só elas é que sabem trocar a fralda sem haver berreiro, só elas é que sabem dar colo, só elas é que sabem dar o leite, só elas é que sabem aliviar as cólicas, só elas é que os sabem fazer rir, etc e tal. Confesso, com tristeza, que sou uma dessas pessoas. Se o deixo é porque confio, claro que sim, mas lá no fundinho acho (tenho a certeza) que ninguém o conhece como eu. Por alguma coisa sou a mãe. Mas pronto, lá ficou e correu tudo pelo melhor. Portou-se excepcionalmente bem, não houve chatices para dormir, não houve episódios de cólicas, uma maravilha. Chatinha como sou, estava sempre a perguntar ao meu homem “será que ele está bem? O que é que estará a fazer agora? Achas que já comeu? Achas que já está a dormir? E será que sente a nossa falta? E se acorda a meio da noite, não nos vê, e desata a berrar?????”. Sim, entrei nesta espiral de delírio. Controlei-me para não estar sempre a mandar mensagens, fiquei-me pelas duas ou três (nada mau). Uma coisa é a criança ficar com a nossa mãe, aí podemos ligar 27 vezes a cada hora. Outra é ficar com a sogra. Confesso que dei por mim a pedir “liga lá aí à tua mãe a saber dele, só para não ser sempre eu a chatear”. Mas pronto, a primeira noite fora foi bem sucedida. Deixei indicações precisas à minha sogra, nomeadamente para não o deixar sair à noite, nem beber álcool, nem meter miúdas lá em casa, e foi tudo cumprido com rigor. A parte melhor disto tudo foi... dormir! Dormir nove horas seguidinhas. Às onze da noite já estávamos a roncar, que maravilha. Mas assim que acordei fui acometida de um ataque de saudades e comecei logo a contar os minutinhos que faltavam para o estrafegar. É mesmo verdade que as coisas mudam. Mudam para diferente, para melhor, mas mudam. Vai-se, mas já não se vai com o mesmo descanso, com o mesmo desprendimento. E até nos conseguimos desligar por momentos, mas só por momentos. Lá no fundinho do coração e da cabeça estamos sempre a pensar no mesmo, há sempre ali uma pequena ansiedade. Se calhar foi por ter sido a primeira vez. Se calhar para a próxima já vai ser diferente, já não vou com a mesma inquietação.  Se calhar, se calhar. Pelo sim, pelo não, vou tentar não voltar a deixá-lo com ninguém até ele ter...27 anos?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:15


20 comentários

De Debora a 07.10.2013 às 23:33

Basicamente e isso tudo :)... Pelos vistos passamos todas pelo mesmo!!!... E voltar a trabalhar também custa horrores porque de facto andamos ainda durante algum tempo a procura do que fomos... E agora do somos!! ... Mas com o tempo parece que nos Mulheres/Mães encontramos um equilíbrio :)... Temos que o encontrar lol até para a nossa sanidade mental!!! Hehehe

De Anónimo a 08.10.2013 às 00:27

E tb gostava de saber mais coisas sobre o baby.
Tens falado sobre tudo o que te vai na alma de mae.
Mas apresenta la o miudo!! Como e que ele e?
Qual foi o modelo que vos saiu na rifa?
Comilao, Chorao, calminho , dorminhoco?

De Blob Profissão Mãe a 08.10.2013 às 03:07

A primeira vez que deixei o meu sozinho com a minha mãe tinha ele 1 mês e foi por 20 minutos...não aguentei muito tempo a preocupação...n via o concerto decentemente o miúsco mamava de pouco em pouco tempo...
Ainda hoje com 7 anos fico sempre inquieta qd ficam fora da minha visão...
Mãe galinha assumida :)

De Juanna a 08.10.2013 às 08:20

Ahhhh, eu, tal como todas, também disse que ia fazer isto e aquilo e nada disto e aqueloutro. Como li algures: "a única altura em que vais saber tudo é enquanto não fores mãe". Falei muito? Pois enfiei a carapuça.

De Ana a 08.10.2013 às 10:14

Adorei! Revejo-me em tudo e ainda não consegui estrear-me!!!Pode ser que me tenhas conseguido inspirar para fazer o mesmo com o S....aos 27 anos!!!LOLLLL

De Anónimo a 08.10.2013 às 10:18

É muito irritante para quem não tem filhos ouvir as pessoas dizer - quando fores mãe, logo vês. Mas de facto, é mesmo verdade, Há coisa, há experiências que só se entendem depois de o ser, verdadeiramente, depois de termos a criança nos braços.
Só quando fui mãe passei a entender uma frase que o meu pai me disse inúmeras vezes ao longo do meu crescimento - "Quando fores Mãe, saberás o que é ser Pai" ou então "Filho és, Pai serás". Nunca entendi muito bem estas expressões, achava-as óbvias, mas de facto, depois de ser Mãe compreendi - e até respeitei, confesso - muito melhor certas atitudes e preocupações dos meus próprios pais. E dei por mim a pensar que certas decisões minhas e certas parvoíces minhas lhes devem ter custado horrores. E a pensar que certas mentiras minhas não lhes devem ter passado assim tão ao lado - fingiram, provavelmente, que não sabiam..., respeitando também a minha privacidade e a minha actuação responsável.
E tantas vezes dou por mim a repetir o que ouvi e o que vi os meus pais fazerem e que eu na altura criticava tanto.... Mas eles tinham razão, cada um no seu papel. E o nosso, agora, é de mães, não é de amigas, ou de irmãs, ou de cuidadoras - é de mães. Com tudo o que isso implica. Que é, de facto, imenso.
Mags

De vidasdanossavida a 08.10.2013 às 10:25

Muda tudo. Eu também deixo os meus filhos (na verdade, ainda não me separei nenhuma noite do piolho que tem 5 meses e meio), mas o mais velho (quase 4 anos) é muito saído e dorme muitas vezes na avó e pelos tios e a verdade é que a casa fica vazia. O silêncio é estranho. Falta qualquer coisa, uma peça fundamental. E também acho que sou quem melhor conhece os meus filhos e que lhes faço imensa falta... Mas eles ficam lindamente e é egoísmo não os habituarmos desde cedo a dormir e ficar com pessoas da nossa confiança, pois é muito importante para o crescimento e desenvolvimento deles. As histórias cá de casa, no meu blogue. Bjs

De Lucia a 08.10.2013 às 11:14

boa! comecem assim devagarinho...vai saber bem pro resto da vida e é bom que a criança se habitue!
e é bom para todos, para os pais que mantêm a sua individualidade como casal, para os avós que podem curtir os netos e para a criança que ADORA estar com os avós (os "pais com açúcar") e sente que os pais se amam ao ponto de querem estar só um com o outro! acredita Pipocaeu sou filha de um casal que frequentemente deixava as filhas para passearem e o que eu sentia era orgulho no amor dos meus Pais!
(ps...façam um exercício...no fds a dois não falem do Mateus...dediquem-se exclusivamente um ao outro...)

De Cris a 09.10.2013 às 11:15

Também comecei assim, a medo, a tentar gerir esse turbilhão que é o que queremos racionalmente e o que o nosso coração dita. Acho que para nós também é importante que os avós ganhem essa rotina para ficarmos mais tranquilas. Correu tão bem que rapidamente instituí a 6ª feira com o Dia dos Avós, um tempo que é só deles e que nos permite sair, jantar fora, dormir e termos tempo a dois. Os avós adoram, o Vasco adora e os pais nem se fala :)
beijocas
Cris
(ainda não vi o Mati acordado, vê se vens fazer uma visita!!)

De Andreia G. a 12.10.2013 às 08:32

Nesta fase é normal a hiperproteção :). Lembro-me que até aos 2 meses do meu filho só faltava rugir se alguém se aproximasse dele! Com a idade vai sendo menos difícil deixá-los (fácil nunca é!) porque também já são menos indefesos, já não inspiram tantos cuidados. E a nós tb nos vai apetecendo voltar a ser um ser individual de vez em quando. Pipoca espera até ele ficar reguila! Garanto que facilita :)

Comentar post


Pág. 2/2






Digam-nos coisas

apipocamaisdois@gmail.com

Pesquisar

Pesquisar no Blog  


Arquivos

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D