Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



AVENTuras da Mamã #20

por A Pipoca Mais Doce, em 04.11.13

O peso certo

 

A palavra “percentil” é uma das mais utilizadas no dicionário das mães. Fora desse mundo, ninguém percebe nada do assunto, nem ninguém quer saber. É um tema que as mães a-d-o-r-a-m discutir entre elas e, regra geral, quanto maior o número mais felizes elas ficam. Até pode significar que têm lá em casa uma criança perto da obesidade, mas enchem a boca de orgulho para dizer “ai o seu Afonso só está no percentil 25? O meu Bruninho está no 95.” O mundo divide-se entre duas classes: a dos que não são pais e perguntam o peso dos bebés alheios só para fazer conversa e ouvirem os pais a falar sobre isso entusiasticamente durante, mais ou menos, 45 minutos; e a classe das mães, que levam o assunto mesmo a sério. Eu, sendo mãe, enquadro-me na primeira categoria. Não me interessa propriamente entrar em campeonatos para ver se o meu filho está mais crescido ou mais rechonchudo do que o filho da minha vizinha. Basicamente, só quero saber se ele se está a desenvolver bem e de forma saudável. Mas tendo um bebé que nasceu prematuro esta questão ganha toooooda uma outra importância. O Mateu nasceu com pouco mais de dois quilos e ainda não entrava na curva dos percentis. Tivemos de comprar uma balança para controlar o peso dele em casa, porque não podia descer dos dois. De dois em dois dias lá estávamos nós a pô-lo na balança para ver que tal estava a evoluir, e era uma alegria ver que estava sempre mais gordinho. Deixou de ser um bebé mínimo e super magrinho para se transformar num texugo bochechudo. Só na última consulta, a dos três meses, foi possível fazer uma aproximação ao percentil: está algures entre o 25 e o 50. Ou seja, já tem praticamente o peso normal para um bebé com o tempo dele, sem sinais de prematuridade, e engorda a olhos vistos. As minhas costas que o digam, que já se vão ressentindo das sessões diárias de colo àquela bolinha de 6 quilos. Está bem e saudável, é tudo o que interessa. Mas agora estamos naquela fase chata entre tamanhos, pouco amiga no que toca a comprar roupa. A de 0-3 meses já fica no limite, a de 3-6 ainda lhe fica a boiar. Dramas de mãe! A verdade é que olho para as primeiras fotos do Mateus e já sinto tantas, tantas, tantas saudades de ele ser assim mínimo. Claro que agora está melhor (dá vontade de o engolir), mas parece que já foi há tanto tempo que ele era assim super pequenino e levezinho. Foi só há três meses, mas isto está a passar demasiado depressa. É por isso que o encho de beijos todos os dias. Não há-de faltar muito para não querer. E só a ideia já me deixa o coração em fanicos. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:58


1 comentário

De raquel Faria a 04.11.2013 às 09:15

Um tema interessante Pipoca, e grande verdade no geral quanto mais gordos melhores. A verdade é que não conseguimos controlar o peso dos bebés pois ou comem muito bem e engordam a olhos vistos ou não gostam de comida e são magrinhos.
O meu filho de 19 meses nasceu com 3310 e 50 cm , com dois meses pesava 5040kg a partir daí começou a enjoar do leite e engordava umas 300 gr por mês sempre esteve no percentil 25 quer no peso quer no cumprimento. Ainda hoje detesta leite é um castigo... mas em contrapartida adora fruta, legumes, peixe, arroz, sopa, papas, adora chá... mas leite não é muito a onda dele.

E depois o meu filhote adora brincar e jogar à bola, e não engorda muito, mas o importante é que é saudavel independentemente do percentil.

Comentar:

De
(moderado)
Este blog tem comentários moderados.
(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.
Comentário
Máximo de 4300 caracteres
Inserir emoticons






Digam-nos coisas

apipocamaisdois@gmail.com

Pesquisar

Pesquisar no Blog  


Arquivos

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D