Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



AVENTuras da Mamã #21

por A Pipoca Mais Doce, em 11.11.13



As eternas inseguranças

 

Que não me levem a mal as mães mais fundamentalistas e as mais metódicas da educação, mas isto de ter um filho é assim uma espécie de totoloto. Podem dizer-me que tem tudo a ver com os pais, com as regras que se impõem aos miúdos, que depende de cada um de nós ter um anjo ou um pequeno monstro, mas eu continuo a dizer: to-to-lo-to. Começamos logo pela criança que nos calha em sorte. Pode ser uma tranquila, uma paz de alma, uma come-e-dorme. É verdade que sim, pode ser isto tudo. Mas também é verdade que pode vir ao mundo com vontade de se desgoelar o dia inteiro, de só estar bem a chorar a alma. Depois há os meio-termo, como o meu. Nasceu um anjo encantador, depois foi-se transformando (para pior) e agora está a aprimorar (mais não seja porque está cada vez mais parecido com a sua mãezinha, benzódeus), está novamente a ficar . O totoloto continua depois diariamente (váaaarias vezes ao dia) em toda e cada decisão que tomamos. Visto-lhe um body interior para não ter frio ou será que vai ter calor? (como sou friorenta acho que ele também é) Dou-lhe o leite porque já está na hora ou é melhor esperar que peça? (geralmente espero que peça) Acordo-o para tomar banho ou vai directo para a cama sem passar pela banheira? (dificilmente o acordo ) Dou-lhe a chucha ou é melhor que aprenda a acalmar-se sozinho? (chucha! Chucha! Chucha!) Fico com ele até adormecer ou não lhe faz mal nenhum choramingar um bocadinho? (fico com ele... mas também já choramingou). Enfim. Basicamente, levamos o dia todo a pensar se isto ou se aquilo. A única coisa que me acalma, quando dou por mim a perguntar-me se estarei a fazer um bom trabalho, é que, em consciência, sei que estou a fazer o melhor que posso e sei. Sempre. Será que o melhor que eu sei é, efectivamente, o melhor para ele? Pois, isso já é mais outra dúvida. E apesar de saber que é logo desde pequenino que se começam a criar as bases para aquilo que eles virão a ser um dia, também acho que ser mãe de um bebé de poucos meses deve ser incomparavelmente mais fácil do que ser mãe de uma criança que já tem opiniões e vontades. Para já, o Mateus não passa de um grande fofinho sorridente que é vestido, alimentado e tratado sem se dar conta disso (mal sabe que tem mãos, quanto mais!), mas depois vai começar a dar palpites, a fazer perguntas, a fazer escolhas, e aí é que são elas. Aí é que a forma como os educamos é posta à prova a cada minuto. E também é aí que as dúvidas e o “estarei a fazer o mais correcto” batem mais forte. Ser mãe é um processo de tentativa-erro, uma aprendizagem constante, um trabalho que nunca acaba. Às vezes pode ser  exaustivo, mas também acredito que seja motivador. Estamos a “trabalhar” um ser para que venha a ser uma pessoa decente, estruturada, íntegra, com princípios, e isso não é nada fácil. Mas quando o objectivo é conseguido deve ser altamente compensador. Parte chata da coisa: podemos ter 34 filhos que o processo será sempre diferente. Porque cada um deles é diferente e porque nós próprias também vamos mudando. Sei que se voltar a ter um bebé é muito provável que volte a ter as mesmas dúvidas, mas é a vida. Há decisões mais importantes que outras, sei que vou falhar algumas (muitas) vezes, mas cheira-me que isto é mesmo assim.

 

E por falar em dúvidas, deixo-vos com uma. O Mateus sempre bebeu o leite à temperatura ambiente. Foi assim que lho ofereceram pela primeira vez na maternidade, e é assim que tem sido. Já o tentámos aquecer um bocadinho no aquecedor de biberões  da Philips AVENT (ao leite, não ao Mateus), mas não correu lá muito bem, bolsou-se todo. Agora que começa a ficar frio assim mais a sério, faz-me espécie que ele beba o leite assim. Ele não se queixa, despacha biberons que é uma maravilha, mas eu é que acho aquilo esquisito.


Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:09


1 comentário

De Charlotte Doyle a 11.11.2013 às 16:34

É que é mesmo como o totoloto. Olha a família Portas, a Sra. Helena Sacadura Cabral, teve dois filhos que são uma jóia, A Catarina e o Miguel, e o Paulinho é uma besta de primeira ;)
Agora a falar a sério. É verdade que quando se tem um filho nunca sabemos muito bem como vai ser. Há irmãos que são educados exactamente da mesma forma, uns vão ser pessoas boas e honestas e outros nem tanto. As pessoas tentam sempre fazer o melhor que podem e sabem, mas os filhos têm personalidade própria e eles é que acabam por decidir o rumo da vida deles. Há filhos que deixam os pais orgulhoso e outros não. C'est la vie! :)

Comentar:

De
(moderado)
Este blog tem comentários moderados.
(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.
Comentário
Máximo de 4300 caracteres
Inserir emoticons






Digam-nos coisas

apipocamaisdois@gmail.com

Pesquisar

Pesquisar no Blog  


Arquivos

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D