Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Mateus emancipado

por A Pipoca Mais Doce, em 02.01.14

E pronto. Ontem foi a noite em que o Mateus rumou ao quarto dele. Contra a minha vontade, claro, que por mim ficava no nosso quarto até aos 14. Anos! Mas pronto, o paizinho estava morto para o mudar de quarto, para poder voltar às séries e aos filmes nocturno, por isso achou que a primeira noite do ano era a ideal. E lá foi pequeno texugo para o seu quarto e para a cama de grades. Já nos tinham dito para não deixarmos passar os sete meses, porque é a altura em que eles sente mais as mudanças, por isso lá foi ele, do alto dos seus cinco meses e meio . E claro que deu pela mudança, e foi um 31 para o adormecer. Pu-lo na cama pé ante pé, mas eis que acordou e foi um berreiro. Chorava, íamos lá, acalmava, chorava, íamos lá, acalmava, e assim sucessivamente. Até que nem connosco ao lado se acalmou, berrava como se o mundo fosse acabar. Dei-lhe a mão, expliquei-lhe que não o ia tirar da cama, que estava ali com ele, que podia dormir descansado, mas a pedagogia não resultou. Foi uma bonita tentativa, mas sem resultados. E, claro, bambi como sou acabei por ceder e dar-lhe colo. Calou-se no mesmo instante. Nunca se viu tanta manhosice junta. Adormeceu em três minutos, voltei a pô-lo na cama e dormiu a noite toda. Ufaaaaaaa! Tive ali um grande dilema moral quando o tirei da cama, só pensei que estava a ceder, que estava tudo estragado, que nunca mais ia conseguir fazer nada dele, mas depois não quis saber. Não era capaz de o deixar a chorar mais, por isso peguei-lhe e enchi-o de beijos. Pelo meio fui trocando umas mensagens com a minha querida Constança, do Espaço Cegonha, que me tranquilizou e me disse que o instinto era a melhor arma. Disse-me também que deixá-lo chorar é que lhe ia criar inseguranças e medos e necessidade de estar sempre a chamar,  por isso não fazia mal nenhum em dar-lhe colo. E, se fosse preciso, até podia voltar atrás e deixá-lo dormir no nosso quarto, que às vezes estes processos levam tempo. Não foi preciso, ele acabou por domir bem e não estou nada arrependida de ter cedido e lhe ter dado colo. Se não posso dar agora vou dar quando? Lá ficou ele na caminha dele e lá fiquei eu agarrada ao intercomunicador, sempre a espreitá-lo, com medo que aquilo não desse sinal caso ele chorasse. Já quase de manhã aquilo começou a apitar com falta de bateria e eu dei um salto tão grande da cama que até fiquei indisposta. Acredito que, noite após noite, vá sendo mais fácil, mas confesso que gostava muito de o ter ali no berço, mesmo ao lado. Gostava de acordar, espreitar lá para dentro e vê-lo a rir-se para mim. De manhã o pai foi buscá-lo e enfiou-o na cama comigo, e ali ficámos meia horinha na ronha e aos beijinhos. Vamos ver como corre hoje... aiiiii... =(

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:55


18 comentários

De cristiana.camilo@gmail.com a 02.01.2014 às 18:28

Compreendo perfeitamente o dilema. A minha filha já vai a caminho dos 9 meses e ainda dorme no nosso quarto... já na sua caminha de grades, mas ainda não a consegui pôr no quartinho dela. Qualquer dia tenho que ganhar coragem, mas é isso mesmo... é o acordar a meio da noite e sentir o respirar dela e saber que está tudo bem... o levantar-me quando ela chora a meio da noite e estar logo ali do lado dela... a insegurança de a deixar sozinha no quarto dela mesmo que ela adore a parede com os bonecos da disney que o papá pintou... E de sentir que é mais um pequeno laço que se corta... Adoro o blog!

Comentar post






Digam-nos coisas

apipocamaisdois@gmail.com

Pesquisar

Pesquisar no Blog  


Arquivos

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D