Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



As noites andavam espectaculares

por A Pipoca Mais Doce, em 08.09.14

Quer dizer, nunca foram brilhantes, temos sempre direito a ser acordados pelo menos uma vez para lhe pôr a chucha, mas houve aí umas quantas noites em que dormiu das nove às nove e quase nos ajoelhámos e agradecemos aos céus. Foi sol de pouca dura e passámos de um extremo ao outro. Uma fita desgraçada para adormecer, outra fita enorme para ficar na cama. Hoje foi uma luta de uma hora e meia para o adormecer. Quer dizer, ele adormeceu bem, no colo. Estava a dormir profundamente até o pôr na cama. Acordou de imediato e virou fera. Era ele a pôr-se de pé na cama, agarrado às grades, e eu a deitá-lo novamente. Repetimos esta brincadeira umas 30 vezes, sem exagero, mas eu estava decidida a não ceder e a não o tirar da cama. Lá adormeceu, com umas festinhas, acho que vencido pelo cansaço, mas não dou muito tempo para acordar novamente aos berros. Ainda tive de ficar no quarto uma boa meia-hora até ele estar a dormir profundamente, porque a cada tentativa que eu fazia para me escapulir lá começava eu a berrar. Sacana, como é que sem me ver ele consegue sentir a minha presença? Espectacular. O grande drama destas coisas é nunca saber se estamos a fazer o mais correcto. Eu, pelo menos, não sei. Sobretudo quando não tenho uma estratégia bem definida e que siga sempre. Há dias em que não o tiro da cama, há outros em que sim, há dias em que deixo chorar mais, há dias em que acudo ao mínimo "ai", há dias em que o trago para a minha cama, há dias em que vou com ele para o quarto de hóspedes... enfim, a verdade é que não consigo agarrar-me a uma só estratégia. Depende das noites, depende do meu estado de cansaço, depende dos nervos dele e da necessidade de mimo e de conforto. Leio os livros, ouço pessoas mais experientes, mas acabo sempre por fazer o que me parece mais sensato na altura. Há quem me diga que não posso vacilar, sob pena de estar a criar um monstro, há quem me diga que tenho de lhe dar colo e mimo sempre, para ele perceber que a mãe não fugiu, há tantas teses que eu tento escutar (quase) todas e depois descortinar a que melhor se aplica a mim e ao meu bebé. Falam-me sempre de instinto, mas eu não sei se o meu é sempre fiável. Porque quero criar um miúdo seguro e independente, mas também não lhe quero falhar sempre que ele precisar mais de colo ou de mimo. Não é para isso que servem as mães? E esse colo sempre disponível vai torná-lo mais confiante ou, pelo contrário, mais dependente? Dúvidas, dúvidas. Vou procurando o meu ponto de equilíbrio, uns dias cedendo mais aqui, noutros sendo mais intransigente ali. Gostava de ter a certeza de estar a fazer um bom trabalho, mas às vezes bate a dúvida. Olho para o Mateus e tenho a certeza que é um menino feliz e muito amado, e que isso é o que realmente importa, mas sei lá.. há sempre dúvidas. E o pior é que sei que vai ser assim para sempre.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:16


50 comentários

De Ana Gomes a 09.09.2014 às 11:07

Percebo tão bem esse sentimento.... :-)

O sono sempre foi o grande problema cá em casa com o nosso Vicente e, como queremos sempre o melhor para eles, ouvimos os mais experientes e lemos muito mas as dúvidas, essas.... continuam!!!!

A grande reviravolta cá em casa deu-se quando, numa consulta por skype, conheci a Filipa da Sleepy Time (www.facebook.com/pages/Sleepy-Time-Especialista-do-Sono)... uma querida, super competente e acima de tudo deu-me segurança e confiança naquilo que devia fazer.... sem nunca esquecer a nossa intuição e bom senso.

As noites passaram a ser tranquilas e mesmo quando existem as mais agitadas, que sempre vão existir, estou tranquila e confiante para acalmar o meu bebé... sempre com muito mimo :-)

A Filipa escreveu agora um livro "10 Dias para Ensinar o Seu Filho a Dormir" que é muito fácil de ler e com muitas dicas úteis.

Aconselho a leitura deste livro a todas as mães e pais.... muito bom!!! :-)

Só quem já teve noites complicadas e difíceis consegue entender a dúvida constante em saber se estamos a fazer o melhor!!!

De familiavieiraribeiro a 09.09.2014 às 11:51

Concordo!!
Devemos fazer SEMPRE o que melhor se adequar à família!
Se isso for dormir na cama dos pais, então que seja!!!
Se isso for adormecer ao colo e depois ir para a dele, então que seja!!
Lá por casa (tendo em vista que já não tenho berços), a mais nova quer sempre que eu adormeça na cama dela.. e assim será até ela o entender (pois pela minha experiência com o mano mais velho lá para 7/8 anos passa)!!!
E se eu adorava dormir com a minha mãe até aos meus 12/13 anos.. porque tentar impor regras/normas ou pensar que estou a criar uns monstrinhos!!!
Ah e sim.. para mim colo e mimo é sinónimo de crianças felizes e mais independentes.. :D

De Filipa Santos a 09.09.2014 às 12:00

A minha experiência vale o que vale, mas sempre dei atenção, mimo, colo, etc, sempre que quis, nunca tive essas guerras para que ele dormisse na cama dele... Queria dormir um bocadinho na minha, tudo bem. Hoje em dia com 3 anos é um miúdo educado, bem disposto e a transição para a cama dele foi super natural e calma.

De Bruxa Mimi a 01.11.2014 às 10:10

Eu também nunca tive "essas guerras pare que ele [no meu caso são três] dormisse[m] na cama[s] dele[s]"... mas sempre dormiram! Porque é que se fala como se pôr a criança a dormir na cama dela tivesse de ser uma guerra? Não tem de ser!

De Caco a 09.09.2014 às 12:05

Só mudei Baby Caco este mês para o quarto dele (aos 19 meses, sim é tarde, eu sei...) e tenho ficado ao seu lado até adormecer (comprei uma cama de solteiro). Deixo a TV ligada, com o som muito baixinho, e ficamos ali os dois até ele cair no sono. Sim, a TV não devia estar ligada, mas ajuda imenso a que fique tranquilo e acabe por adormecer facilmente. Até aqui, usava o mesmo método, mas no sofá da sala. Ele nunca ficou no berço quieto, estando acordado. Bem tentei, mas ele levantava os braços no ar e gritava desalmadamente até o tirar dali. Acabei por encontrar este método. Pode não ser o mais indicado, reconheço, mas é o que tem funcionado.

De Angela a 09.09.2014 às 12:48

E sempre a piorar, Pipoca, sempre a piorar;(
Mas é a melhor coisa que temos;)

De Ana Matos a 09.09.2014 às 12:55

Para as perturbações do sono e as melhores rotinas, aconselho vivamente uma consulta com a Dra. Filipa Sommersfeld Fernandes. Salva vidas. Estou certa que poderá ajudá-los também. Consulte em "sleepy time" no facebook!

De Diana Vicente a 09.09.2014 às 13:11

Segue sempre o teu coração, Ana. Muitas vezes sermos corretos passa por não sermos intransigentes. Temos de dosear; de perceber se eles estão a fazer manha, a fazer birra, a lutar contra o cansaço, ou se estão efetivamente irritados e enervados. Já muitas vezes me descabelei à procura de respostas. Já me desesperei por não saber se era eu que estava a errar, mas depois percebi que todas as respostas estavam dentro do meu coração. Do meu coração e do meu bom-senso.

De ines a 09.09.2014 às 14:36

A verdade é q é o Mateus q manda na Pipoca. E se não tem mão nele agora que é um bebe, quando tiver 5 anos vai ser mesmo um monstro.

De Anónimo a 09.09.2014 às 18:38

Concordo.
Con gémeos, essas regras são fundamentais desde o primeiro dia. Não é só com colo que as crianças são felizes. Os pais é que, maioritariamente, têm "medo que as crianças n gostem deles por ouvir não". Tentem ficar cinco meses sozinhas todo o dia cm duas crianças para cuidar. Sem rede de apoio. Sozinhas. A ver se não criam regras e disciplina. Com seis meses passaram para p quarto delas, sem video-babiy ou coisa parecida. Ia sozinha com as duas ao pediatra. E uma delas com um problema cardíaco, que teve de ser operada com um ano e as médicas só diziam " cuidado que estas crianças tornam-se manipuladoras".
Nuncame deram más noites. Hoje com cinco, são inteligentes e elogiadas no colégio. Mas isso dá mais trabalho que pormos a criancinha colada a nós. Porque se acha, la no fundo, que os filhos nos pertencem. Não. Nós estamos a criar futuros adultos que se querem independentes. "A mae dá castigos e ralhetes" e sabem que não é não. Eu, ate aos 21 anos nunca tinha ouvido um não e sei bem o que isso me custou quando iniciei a actividade profissional. Mimo dá-se mostrando carinho e amor, o que também inclui disciplina porque, ao contrario do que muitos pensam, deixar fazer tudo dá às crianças a sensação de os pais não quererem saber. Digo-lhes que lhes dou castigos e ralhetes precisamente porque as amo. Porque não necessito de criar-lhes dependência de mim (bem pelo contrário) para fortalecer os nossos laços. E é a mãe que elas buscam. E é a mãe que elas sabem que está e estará sempre. E não necessitaram de adormecer ao colo para isso.
Isso sim, é educar. E sim, são super-felizes e realmente bem-dispostas. Mas isso dá muito muito trabalho. Muito mais do que dar colo...

De Anónimo a 09.09.2014 às 19:34

Claro...qualquer dia também vai bater na mãe e impedi-la de ter vida própria...

De Anónimo a 09.09.2014 às 19:36

Caso não seja perceptível, estava a ser irónica quando disse que o pobre bebé ia bater na mãe....

De Anónimo a 09.09.2014 às 19:42

Concordo.
Con gémeos, essas regras são fundamentais desde o primeiro dia. Não é só com colo que as crianças são felizes. Os pais é que, maioritariamente, têm "medo que as crianças n gostem deles por ouvir não". Tentem ficar cinco meses sozinhas todo o dia cm duas crianças para cuidar. Sem rede de apoio. Sozinhas. A ver se não criam regras e disciplina. Com seis meses passaram para p quarto delas, sem video-babiy ou coisa parecida. Ia sozinha com as duas ao pediatra. E uma delas com um problema cardíaco, que teve de ser operada com um ano e as médicas só diziam " cuidado que estas crianças tornam-se manipuladoras".
Nuncame deram más noites. Hoje com cinco, são inteligentes e elogiadas no colégio. Mas isso dá mais trabalho que pormos a criancinha colada a nós. Porque se acha, la no fundo, que os filhos nos pertencem. Não. Nós estamos a criar futuros adultos que se querem independentes. "A mae dá castigos e ralhetes" e sabem que não é não. Eu, ate aos 21 anos nunca tinha ouvido um não e sei bem o que isso me custou quando iniciei a actividade profissional. Mimo dá-se mostrando carinho e amor, o que também inclui disciplina porque, ao contrario do que muitos pensam, deixar fazer tudo dá às crianças a sensação de os pais não quererem saber. Digo-lhes que lhes dou castigos e ralhetes precisamente porque as amo. Porque não necessito de criar-lhes dependência de mim (bem pelo contrário) para fortalecer os nossos laços. E é a mãe que elas buscam. E é a mãe que elas sabem que está e estará sempre. E não necessitaram de adormecer ao colo para isso.
Isso sim, é educar. E sim, são super-felizes e realmente bem-dispostas. Mas isso dá muito muito trabalho. Muito mais do que dar colo...

De Maria Leote a 10.09.2014 às 09:53

Este comentário é a sério...? Um monstro ao dizer uma coisa destas deve ser vocês, Inês! Não tem filhos, concerteza.

De Luísa a 10.09.2014 às 15:52

??? meu deus... :/ um monstro? ter mão nele? é um bebé...e sim, muitas vezes "mandam" em nós no sentido em que alteramos a nossa vida em função deles, mas isso faz parte de ser mãe no verdadeiro sentido da palavra! Mãe educa, dá carinho e dá consolo quando necessário. Ser mãe é muito mais que impôr regras.

De Melissa a 10.09.2014 às 21:19

Até pode ser, mas não me parece que essa conclusão se retire deste post. Este post foca-se mais na adaptação das rotinas e nas decisões quotidianas, que me parecem tomadas pelos pais em função dos três e das necessidades dos três. Li precisamente o inverso (mas posso ser eu a estar errada).

De Sofia a 11.09.2014 às 08:45

A sério? Fala por experiência própria é?
Oh tristeza! Se é para mandar abaixo mais valia estar "calada".

De Carlota a 12.09.2014 às 22:50

ah ah ah ah
então a minha mãe criou 2 monstros, e eu estou a criar outro.
O mal são as teorias e não fazermos aquilo que o nosso coração diz.

De Maria Rocha a 09.09.2014 às 15:42

Olá Ana!

Costumo dizer que tenho muita sorte com o bebé que me calhou na rifa! O meu filho tem um ano e posso dizer que nunca nos deu uma noite má. Não fosse o caso de ele ter nascido dois meses antes do previsto e ter de o acordar de 3 em 3hrs para mamar, e ele teria dormido a noite toda desde que nasceu. Aos 3 meses como já tinha um peso aceitável a pediatra deu luz verde para saltar uma mamada a ver como reagia. O rapaz passou a dormir a noite toda. Dorme actualmente quase 12 hrs seguidas. Acorda de manhã, toma o leite e volta a dormir até ao almoço. Tem de adormecer ao nosso colo mas, tirando um dia ou outro, adormece rapidamente. E quando vou para a cama, dou-lhe beijos, pego nele para o posicinar de forma mais correcta, e ele nunca acorda. Quando adormece, adormece a sério.

Nesta história de filhos, costumo dizer que temos orientações e depois adaptamo-nos ao bebé que temos pela frente. Não há teorias infalíveis para tratar das crianças, usamos o nosso bom senso, intuição e amor, esperando estar a fazer o correcto. Até aos 6 meses do meu filho, ele só dormia durante o dia no meu colo. A minha rotina era, depois de almoçar, ficar com ele no colo a vegetar frente à televisão durante 4 hrs. Se o punha na cama dormia 15 mins e ficava impossível. Quantas vezes ouvi dizer que tinha de o desabituar, que não podia dar muito colo ou mimo porque depois não dormia de outra forma. A verdade é que dei/dou o colo e o mimo que entendo, e tento criar rotinas e hábitos paulatinamente. Nem sempre funciona, e as crianças não são todas iguais mas tentamos fazer o que achamos melhor.
Já percebemo que se lhe der muito estímulo antes de dormir e o deixar "vaguear", depois de lhe dar o leite, não adormece tão rápido. Fazemos então por o acalmar antes de lhe dar o leite e levamo-lo para o quarto ou sala, sem televisão ou ruído, e com a luz no mínimo.A meio do biberão já está quase aterrado e há alturas em que adormece a tomar o leite. Também já percebemos que as rotinas funcionam, e tentamos cumpri-las. Mas como digo, as crianças não são iguais e uma vez ou outra isto não funciona.
Contudo, sou defensora do mimo e carinho que damos aos nossos filhos. Eu sempre tive muito amor em casa, sem ser mimada em demasia, e nunca senti que isso me tivesse prejudicado enquanto adulta, pelo contrário!!!!. Até ao meu pai falecer (já com 32 anos) , ele ainda me tratava por amor e me mandava mensagens a dizer que me amava. Os filhos são para ser amados e os pais para lhe dar esse amor. Como tudo na vida há que haver equílibrio, mas como mãe, tenho a certeza que a Ana está a fazer o correcto, porque faz o melhor que sabe e que pode, e de coração.

Um beijinho,

De sonia a 09.09.2014 às 16:12

Boa tarde Pipoca,

Ja foi dito muita coisa, e nestas coisas, cada um fala da sua experiencia e do que resulta para si. Eu tenho dois filhos e ambos dormem bem e na cama deles desde bem pequeninos, o que sempre fiz foi ter uma rotina, sempre bem definida para depois do jantar, não nteresa qual é, interessa que seja a mesma, seja ver bonecos, contar uma historia, brincar....o que interessa é que depois de jantar se faça isto, depois aquilo e de seguida o bebé sabe que vem a cama. E cama é cama, não é colo... acho que faz muita diferença se estiverem habituados a adormecer na cama e sozinhos. Não é abandonados, nem a chorar, é progressivamente... um dia ficar ao pe da cama, a fazer festinhas, no dia seguinte menos 5 minutos.... no outro dia, deitar, dar um beijinho uma festa e dizer qualquer coisa do genero, a mãe/pai vai ali só dar de comer ao manolo e ja vem.... e voltar caso ele chame, mas depois voltar a sair, é essencial que se habituem a adormecer sozinhos para que quando acordam a meio da noite consigam tambem readormecer sozinhos.... isto é dificil, é gradual, mas faz-se... Claro que ha dias em que sentimos mesmo que precsa de colo e não faz mal em dar, mas o bebé tem que eprceber que a regra é adormcer na caminha...

beijinhos e boa sorte

Comentar post







Digam-nos coisas

apipocamaisdois@gmail.com

Pesquisar

Pesquisar no Blog  


Arquivos

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D