Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



As noites andavam espectaculares

por A Pipoca Mais Doce, em 08.09.14

Quer dizer, nunca foram brilhantes, temos sempre direito a ser acordados pelo menos uma vez para lhe pôr a chucha, mas houve aí umas quantas noites em que dormiu das nove às nove e quase nos ajoelhámos e agradecemos aos céus. Foi sol de pouca dura e passámos de um extremo ao outro. Uma fita desgraçada para adormecer, outra fita enorme para ficar na cama. Hoje foi uma luta de uma hora e meia para o adormecer. Quer dizer, ele adormeceu bem, no colo. Estava a dormir profundamente até o pôr na cama. Acordou de imediato e virou fera. Era ele a pôr-se de pé na cama, agarrado às grades, e eu a deitá-lo novamente. Repetimos esta brincadeira umas 30 vezes, sem exagero, mas eu estava decidida a não ceder e a não o tirar da cama. Lá adormeceu, com umas festinhas, acho que vencido pelo cansaço, mas não dou muito tempo para acordar novamente aos berros. Ainda tive de ficar no quarto uma boa meia-hora até ele estar a dormir profundamente, porque a cada tentativa que eu fazia para me escapulir lá começava eu a berrar. Sacana, como é que sem me ver ele consegue sentir a minha presença? Espectacular. O grande drama destas coisas é nunca saber se estamos a fazer o mais correcto. Eu, pelo menos, não sei. Sobretudo quando não tenho uma estratégia bem definida e que siga sempre. Há dias em que não o tiro da cama, há outros em que sim, há dias em que deixo chorar mais, há dias em que acudo ao mínimo "ai", há dias em que o trago para a minha cama, há dias em que vou com ele para o quarto de hóspedes... enfim, a verdade é que não consigo agarrar-me a uma só estratégia. Depende das noites, depende do meu estado de cansaço, depende dos nervos dele e da necessidade de mimo e de conforto. Leio os livros, ouço pessoas mais experientes, mas acabo sempre por fazer o que me parece mais sensato na altura. Há quem me diga que não posso vacilar, sob pena de estar a criar um monstro, há quem me diga que tenho de lhe dar colo e mimo sempre, para ele perceber que a mãe não fugiu, há tantas teses que eu tento escutar (quase) todas e depois descortinar a que melhor se aplica a mim e ao meu bebé. Falam-me sempre de instinto, mas eu não sei se o meu é sempre fiável. Porque quero criar um miúdo seguro e independente, mas também não lhe quero falhar sempre que ele precisar mais de colo ou de mimo. Não é para isso que servem as mães? E esse colo sempre disponível vai torná-lo mais confiante ou, pelo contrário, mais dependente? Dúvidas, dúvidas. Vou procurando o meu ponto de equilíbrio, uns dias cedendo mais aqui, noutros sendo mais intransigente ali. Gostava de ter a certeza de estar a fazer um bom trabalho, mas às vezes bate a dúvida. Olho para o Mateus e tenho a certeza que é um menino feliz e muito amado, e que isso é o que realmente importa, mas sei lá.. há sempre dúvidas. E o pior é que sei que vai ser assim para sempre.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:16


1 comentário

De MdeFrancisca a 09.09.2014 às 10:16

Como te percebo!!!!

Comentar:

De
(moderado)
Este blog tem comentários moderados.
(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.
Comentário
Máximo de 4300 caracteres
Inserir emoticons






Digam-nos coisas

apipocamaisdois@gmail.com

Pesquisar

Pesquisar no Blog  


Arquivos

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D